Quando não passei no Morsa

Primeiro, o que é Morsa? Um curso de comunicação de mídias interativas focado em produção e com uma proposta única: aprender com a mão na massa. O curso foi divulgado no Brainstorm 9. Clique na imagem e me diz se você não gostaria de participar:

Ok, agora deixa eu contar. Há um tempo atrás, por volta de Junho deste ano, fiz a minha inscrição e coloquei dois projetos para conseguir entrar no curso. E foi uma enorme surpresa quando recebi um e-mail no final de Setembro me informando que havia passado na primeira fase e iria participar de uma entrevista coletiva com outros candidatos. Fiquei um pouco ansioso, pois havia recebido a notícia de que teria por volta de 3 minutos para falar sobre mim e os projetos que inscrevi.

Logo, apesar de ter passado a tarde treinando o que falar, na hora foi bem mais tranquilo, pois teria 5 minutos e deveria falar somente de um projeto, e o que escolhi foram os personagens da Invenção da Geladeira. Infelizmente não passei nesta fase, mas pelo que fui informado pela D3, haviam mais de 900 inscritos, e ali naquela entrevista haviam 10 selecionados, que ficariam somente 4.

Enfim, não há dúvidas de que foi uma honra poder estar lá, e mesmo que não tivesse passado, melhor ainda foi receber um e-mail super decente e camarada falando para eu investir mais em meus projetos autorais (não estou sendo irônico, um posicionamento desta forma é raridade). E finalmente, uma percepção: me senti muito offline, isso mesmo, pouco interativo perto dos meus concorrentes, e fiquei me questionando: será que é bom trabalhar com algo que o máximo de interação com o seu público é o fato dele apertar um play (o que faço atualmente) ou seria mais interessante investir em coisas mais interativas (games)?